Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Emanuela

Emanuela

De Luz e Paz

Como é bom estar sozinha ... E poder acalmar em mim as tempestades! Inspirar profundamente e deixar que bons sentimentos me inundem , Que a Luz flua em mim e torne-me candeeiro de Paz. Ah! Como é bom estar sozinha, mas não sentir-me só. Antes, sentir-me amparada e em calma, sentindo que Poderosa Mão me auxilia e conforta. Estes são, sem dúvida, os momentos que mais gosto!(Emanuela 19.11.2014)

Morada de Deus

E nada mais queremos do que a paz tão almejada. Queremos deixar de lado todas as dores sentidas, todos os planos frustrados, todos os medos. Queremos deixar de lado as incertezas e simplesmente sentirmo-nos como crianças sendo guiadas por mãos firmes e carinhosas que conhecem exatamente o caminho para onde dirigem nossos passos. Queremos que a busca finde e que , quando chegarmos ao lugar para onde fomos finalmente conduzidos , brilhe a luz de um dia radiante e as flores desabrochem coloridas e os pássaros cantem alegremente, voando junto com borboletas de todas as cores e tamanhos. Queremos que. por todo lado, haja crianças e também pequenos e dóceis animais correndo e brincando tão felizes e que possamos nos juntar a eles e sentirmo-nos com o mesmo sentimento que os toca. Queremos ouvir sons de flautas doces, violinos e violões e gaitas de fole, e harpas delicadamente dedilhadas. Queremos ouvir o som majestoso de um piano, as notas escorrendo como se fossem gotas d’água fluindo para cima, brilhantes... Queremos que o sentimento aqueça nossos corações e da nossa boca saiam risos que componham músicas celestiais como a voz dos anjos. Queremos a plena felicidade, o toque dos anjos, a face de Deus!(Emanuela 24.10.2014)

Um não lugar...

O inferno se faz de enjoo e escuridão. Choro e ranger de dentes. Raiva, medo! O inferno é sujo e cheio de contradições. De uma cor cinzenta, povoado de árvores secas e retorcidas. Desolação, lamaçal que nos engole, de um peso na nuca, de uma confusão mental. O inferno não nos deixa sossegar um só segundo e sentimos o peito oprimido e nada que nos dê prazer. Há só um medo, um desgosto não se sabe do que nem para onde... Há uma corrente presa aos pés, aos braços, à nuca... Há uma corrente que nunca nos solta, nos mantém atados e loucos, e desconectados e conectados demais... É contradição constante, loucura insensata. É um lugar onde ninguém quer ficar, mas não se consegue sair sem a força de um sorriso, de uma mão estendida, de um abraço quente. É um lugar feio, mas de onde não se tem força para querer sair. E a pressão na nuca aumenta e tenta nos matar, transforma-se em frio na boca do estomago e o desconforto vai aumentando assustadoramente... É um lugar onde não queremos, não fazemos, não somos... É um lugar não lugar, constante insatisfação, não fazer e não crer. A luz não consegue vencer as trevas do abismo infernal. ( Emanuela 24.10.2014

Teimosias

As vezes fico me perguntando porque não desisto de algumas coisas e a única resposta que posso me dar e esta: pura teimosia! Acho tão,tão difícil largar os sonhos... Então vou tentando comer pelas beiradas,pensando que um dia ainda chego lá. Mas talvez o que eu preciso mesmo,de verdade é aprender a desapegar.Partir para outros mares e esperar que bons ventos soprem. E quem sabe, por outros caminhos, eu chegue afinal ao porto que desejo?(pensado hoje por Emanuela)

Renascença

Há muito tempo eu não voltava naquele lugar... Ontem voltei!
Confesso que não foi fácil. Apesar da maravilha que é lá estar, não é fácil chegar.
Resisti muito, mas a vontade foi maior. Empreendi a caminhada e fui vencendo os obstáculos aos poucos...
Ao chegar, o êxtase outra vez se apoderou de mim. É tão lindo! Tão maravilhosamente em paz!
Aproximei-me devagar do riacho de águas cristalinas e com as mãos em concha fui bebendo delicadamente daquela água pura e saborosa.
A sede foi sendo mitigada, mas ainda assim eu queria mais, tal é a delícia que nela se encontra.
Fiquei por lá algum tempo. Não o tempo que eu deveria. Não o tempo que queria...
Somente o tempo absolutamente necessário. Não tinha como ser diferente, mas ir lá novamente fez em mim a toda diferença...
Hoje, sinto- me mais eu! (Emanuela 07.10.2014)