Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Emanuela

Emanuela

Teimosias

As vezes fico me perguntando porque não desisto de algumas coisas e a única resposta que posso me dar e esta: pura teimosia! Acho tão,tão difícil largar os sonhos... Então vou tentando comer pelas beiradas,pensando que um dia ainda chego lá. Mas talvez o que eu preciso mesmo,de verdade é aprender a desapegar.Partir para outros mares e esperar que bons ventos soprem. E quem sabe, por outros caminhos, eu chegue afinal ao porto que desejo?(pensado hoje por Emanuela)

Renascença

Há muito tempo eu não voltava naquele lugar... Ontem voltei!
Confesso que não foi fácil. Apesar da maravilha que é lá estar, não é fácil chegar.
Resisti muito, mas a vontade foi maior. Empreendi a caminhada e fui vencendo os obstáculos aos poucos...
Ao chegar, o êxtase outra vez se apoderou de mim. É tão lindo! Tão maravilhosamente em paz!
Aproximei-me devagar do riacho de águas cristalinas e com as mãos em concha fui bebendo delicadamente daquela água pura e saborosa.
A sede foi sendo mitigada, mas ainda assim eu queria mais, tal é a delícia que nela se encontra.
Fiquei por lá algum tempo. Não o tempo que eu deveria. Não o tempo que queria...
Somente o tempo absolutamente necessário. Não tinha como ser diferente, mas ir lá novamente fez em mim a toda diferença...
Hoje, sinto- me mais eu! (Emanuela 07.10.2014)

Respeitavel publico...

O velho palco permanece frio, silencioso e vazio!

Entra, abre as cortinas e olha em volta.

Todos os atores se foram e com eles, a plateia. As cadeiras se mantém vazias e sobre elas já se acumula a poeira dos tempos.

O antigo teatro foi esquecido, mas aquela que o concebeu vaga por ali vez por outra, ouvindo pelas paredes os ecos de outros tempos, sentindo no coração a emoção de personagens que por ali passaram...

Haverá retorno?

Aos poucos vai imaginando outras apresentações, reescrevendo roteiros, relembrado intérpretes.

Alguém estará disposto a reviver o espetáculo? (Emanuela em 31.01.2012)

 

Sempre e sempre

Publicado originalmente no dia 01.11.2009

 

COMO EU TE AMO

 

Como se ama o silêncio, a luz, o aroma,

 O orvalho numa flor, nos céus a estrela,

No largo mar a sombra de uma vela,

Que lá na extrema do horizonte assoma;


 Como se ama o clarão da branca lua,

Da noite na mudez os sons da flauta,

As canções saudosíssimas do nauta,

Quando em mole vaivém a nau flutua,


 Como se ama das aves o gemido,

Da noite as sombras e do dia as cores,

Um céu com luzes, um jardim com flores,

 Um canto quase em lágrimas sumido;


 Como se ama o crepúsculo da aurora,

A mansa viração que o bosque ondeia,

O sussurro da fonte que serpeia,

 Uma imagem risonha e sedutora;


 Como se ama o calor e a luz querida,

 A harmonia, o frescor, os sons, os céus,

Silêncio, e cores, e perfume, e vida,

Os pais e a pátria e a virtude e a Deus:


 Assim eu te amo, assim; mais do que podem

 Dizer-to os lábios meus, — mais do que vale

Cantar a voz do trovador cansada:

O que é belo, o que é justo, santo e grande

Amo em ti.

 — Por tudo quanto sofro,

Por quanto já sofri, por quanto ainda

Me resta de sofrer, por tudo eu te amo.

O que espero, cobiço, almejo, ou temo

 De ti, só de ti pende: oh! nunca saibas

Com quanto amor eu te amo, e de que fonte

Tão terna, quanto amarga o vou nutrindo!

Esta oculta paixão, que mal suspeitas,

 Que não vês, não supões, nem te eu revelo,

Só pode no silêncio achar consolo,

Na dor aumento, intérprete nas lágrimas.
De mim não saberás como te adoro;

 Não te direi jamais,

Se te amo, e como, e a quanto extremo chega

Esta paixão voraz!
Se andas, sou o eco dos teus passos;

 Da tua voz, se falas; o murmúrio saudoso que responde

Ao suspiro que exalas.
No odor dos teus perfumes te procuro,

 Tuas pegadas sigo;

Velo teus dias, te acompanho sempre,

E não me vês contigo!
Oculto e ignorado me desvelo

Por ti, que me não vês;

Aliso o teu caminho, esparjo flores,

Onde pisam teus pés.
Mesmo lendo estes versos, que m'inspiras,

— "Não pensa em mim", dirás:

Imagina-o, se o podes, que os meus lábios

 Não to dirão jamais!
Sim, eu te amo; porém nunca

Saberás do meu amor;

 

A minha canção singela

Traiçoeira não revela

 O prêmio santo que anela

O sofrer do trovador!


 Sim, eu te amo; porém nunca

Dos lábios meus saberás,

Que é fundo como a desgraça,

Que o pranto não adelgaça,

 Leve, qual sombra que passa,

Ou como um sonho fugaz!


 Aos meus lábios, aos meus olhos

 Do silêncio imponho a lei;

Mas lá onde a dor se esquece,

 Onde a luz nunca falece,

 Onde o prazer sempre cresce,

 Lá saberás se te amei!


E então dirás: "Objeto Fui de santo e puro amor:

 A sua canção singela; Tudo agora me revela;

 Já sei o prêmio que anela

O sofrer do trovador.


 "Amou-me como se ama a luz querida,

 Como se ama o silêncio, os sons, os céus,

Qual se amam cores e perfume e vida,

 Os pais e a pátria, e a virtude e a Deus!"

( autor: Gonçalves Dias)

 

Boas lembranças

Publicado originalmente no dia 15.11.2007 com o título: Carinhos

 

Recebi da amiga IN MY WAY  estes presentes carinhosos.

 

 

 

 

Sempre que recebo algo assim, reafirma a certeza de que vale a pena estar aqui. Porque sempre olho cada um desses mimos, realmente como uma forma de demonstrar amizade, e eu os aceito de coração alegre. E quando nomeio, faço da mesma maneira: querendo transmitir o meu carinho e amizade, o meu apreço por cada ser humano que se esconde por detrás das palavras deixadas em cada espaço. Seres humanos, que todos sabemos, com qualidades e defeitos, com fomes que só eles próprios o sabem (quando sabem)... Sei que os motivos de se estar aqui são muitos, mas para mim, não há nada maior do que o carinho que recebo de cada um dos meus amigos. E por isso, nomear 10 pessoas (blogs) realmente se torna muito difícil, porque gostaria de oferecê-los a cada um que em algum momento já me  reanimou, já me fez sorrir, já me fez sentir importante de alguma maneira. No meio de tanta gente que visito e gosto, acabo sempre nomeando aqueles que se fazem mais presentes, ou se fazem presentes de maneira especial. Por isso nomeio os amigos abaixo, mesmo sabendo que alguns deles não levarão os presentes para os seus blogs. Mas o que me importa , é dizer a cada um, que os tenho como amigos.

À IN, agradeço a singeleza da oferta do fundo do coração. E digo que o carinho, a vontade de ser amigo de alguém, não é planta que precisa de muito tempo para germinar. Basta o “voltar-se” para o outro com o coração aberto. É assim que tento sempre estar.

Nomeio:

-  CINDA PEREIRA

JOÃO SOUSA

-   V.A.D
GENNY
TERES
DHYANA
- CCOSTA
- DIOGO
- EIRA-VELHA
- VENTOR